19 de março de 2009

A sociedade e os padrões do mercado

Texto dessa semana, elaborado por mim, claro , é um artigo de opinião, aí vai:

A sociedade e os padrões do mercado
O vestibular é um processo que classifica alunos para o engresso na faculdade, essa por sua vez serve como uma introdução ao trabalho. O que seria no aspecto individual uma forma de criatividade, realização e de moldar a si próprio, acaba se transformando no que chamamos filosoficamente de alienação.
O estudo, em um visão social, é uma maneira de adquirir conhecimento, com o intuito de praticá-lo no trabalho, porém esse que deveria ser um jeito positivo de expressão da criatividade humana perdeu a liberdade, modificando para um castigo. Exemplo é o próprio estilo de educação da família e da escola, em que vemos pais preocupados com a renda mensal, estressados com as contas e cheios de decepção com o seu trabalho.
Enquanto os filhos, materialistas e consumistas, se sentem obrigados a estudar, como se a escola fosse um jeito de introduzir aprendizado forçado através das notas. Mas será que realmente o ensino e o trabalho tem nos deixado "mecanizados" como apenas uma visão de sucesso econômico? De acordo com o músico brasileiro Vitor Iesensee da banda Forfun, " na escola aprendemos a decorar o que foi passado, afim de atingirmos as notas necessárias para a nossa formação, transformando assim em mais uma forma de hipnose e controle do que realmente uma maneira de transmitir conhecimento."
Posteriormente, como profissional, vemos o trabalho como uma obrigação para a sobrevivência, quando isso, na verdade, é apenas consequência de um mundo capitalista, em que a sociedade é movida pelos padrões do mercado. Algumas pessoas começam a ficar alheia a si mesmas, a rotina quase sempre é repetitiva, monótona e fria, assim, acabam sendo atingidas pela alienação, pensam somente em alcançar o sucesso profissional, por fim, perdem a racionalidade, esquecendo realmente o essencial para a vida. Mas será que chegamos ao ponto de perder a individualidade por não conseguirmos atingir um padrão capitalista?
O jornal A folha on line do dia 18/03/2009, divulgou o caso de Tim Krestschetmer, estudante de 17 anos que matou 15 pessoas em uma escola na Alemanha. O garoto usou uma das 20 armas que o pai guardava em casa. O jovem antes do ocorrido havia escrito uma carta na qual dizia que não aguentava mais viver e horas antes disse em um chat na Internet " Estou cansado dessa vida , ninguém reconhece meu potencial."
Além desse caso, existem vários outros de adolescentes alienados que não possuem valores éticos e acabam cometendo essas barbaridades, como os famosos trotes após passarem no vestibular. Afirmando-se assim, que a felicidade desses jovens consiste, apenas, na questão do poder e seguir padrões capitalistas impostos pela mídia, ignorando o prazer com aquilo que verdadeiramente deveria amar e se preocupar.
Portanto, observamos uma sociedade preocupada com o "ter", esquecendo o "ser", deixando então consequências notáveis da alienação, transformando assim, o trabalho e o conhecimento em somente decepção e castigo. Como afirmou o filósofo alemão Max Horkheimer "quanto mais intensa é a preocupação do individuo com o poder, mais lhe faltarão os traços individuais genuínos."

Compartilhe