22 de novembro de 2014

Amar é um dom e ser amado é um privilégio





Olá meus queridos tripulantes, como vão? Se você é um antigo leitor deve ter reparado que esse título já foi tema de outro texto, mas resolvi reescrever agora com uma nova experiência e perspectiva de vida.

Amor, que tema complexo não? Tantos poetas, românticos, músicos, filósofos que já tentaram escrever sobre esse sentimento e mesmo assim não conseguiram expressar a imensidão e a complexidade que ele é, e hoje estou eu aqui tentando por em humildes palavras algo sobre o amor. Não prometo nada muito bonito e intenso como Camões, Shakespeare, ou Clarice, haha, mas escreverei sobre a experiência mais incrível e bonita que pude ter através desse sentimento.

Durante os últimos meses fui agraciada por alguém ter despertado em mim, o sentimento mais nobre que pode existir e o que estou aprendendo é que amor é um afeto que vai sendo construído aos poucos, diferentemente da paixão, ele não deixa você nas nuvens, com borboletas no estômago e cheio de êxtase. Amor traz consigo compaixão, paciência, e uma felicidade inexplicável de ver o outro feliz, de acreditar no outro, de se doar para o outro. Amor, não é ter um desejo insaciável de ter o outro, amor é compartilhamento, é gratidão pela presença do outro.

Quando pensamos em amor, logo nos vem à memória a visão que temos culturalmente, que devemos encontrar a nossa cara metade, aquela pessoa que é tão perfeita que irá te completar, que tem os seus mesmos gostos, aquela pessoa que te fará feliz, que preencherá esse vazio que você tem aí. Contudo, esses são ideais errados propagados pela mídia, nós somos únicos, mas não somos perfeitos, sempre haverá diferenças e para desenvolvermos o amor, primeiro temos que nos sentir completos por nós mesmos e não esperar que alguém venha te fazer feliz. Você é o único que pode encontrar a felicidade dentro de você mesmo.

Amar apesar de bonito, é uma tarefa difícil! Descobri que quando nós amamos, nós amadurecemos e isso só é possível porque amor é também uma oportunidade de aprendizado, tanto para nos auto conhecermos como para conhecer o outro. Ah e que dádiva é conhecer o ser amado, uma oportunidade única de entender e conhecer o próximo, de praticar a paciência que é ter que conviver com as diferenças.

E conviver com as diferenças talvez seja a parte mais complicada de amar, por isso, é uma das melhores oportunidades que o amor traz para vencer os sentimentos negativos como a raiva, o ciúme, irritação, a frustração. Mas como isso é possível? Como amadurecemos através do amor?



Pela experiência que tive posso citar um exemplo, quando a pessoa que você ama faz algo que você não esperava e isso te aborrece, te deixa com raiva, naturalmente você fica pensado: "_mas porque ele fez isso se ele me ama?" Você fica dominado por sentimentos negativos que só atraem mais sentimentos negativos e acaba culpando o outro pela sua infelicidade. Mas, isso ocorre simplesmente porque "esperamos" uma atitude parecida com a que faríamos se estivéssemos no lugar dele, porém é justamente aí que mora a chance de se colocar no lugar do outro, porque o outro não é você e o fato dele não fazer o que você esperava, não quer dizer que não te ama. É em momentos como esse que devemos praticar a paciência e calma para entender o outro.

Ao invés de gritar, brigar, poderíamos simplesmente manter a calma, quando fazemos isso, estamos dando uma chance para o amor, estamos agindo com compaixão, estamos nos auto conhecendo e conhecendo o outro. Quando deixamos o medo e a raiva dominar a situação, estamos dando uma chance para o ódio, como disse o sábio Yoda:

 "O medo é o caminho para o lado negro. O medo leva a raiva, a raiva leva ao ódio, o ódio leva ao sofrimento."

Quando damos muitas chances para o medo, ele nos leva a desistir, a culpar o outro, ou a culpar a si mesmo, pois é o caminho mais fácil, quando damos a chance para o amor, ele nos leva ao equilíbrio, ao desenvolvimento espiritual, a ter fé. Logo, amar é realmente difícil, é preciso praticar para chegarmos ao equilíbrio, a iluminação.

A partir do momento que começamos a praticar o amor, vamos amadurecendo e com isso conseguimos vivenciar o amor pleno, que vai muito além da sexualidade, começamos a aprender sobre o outro, a ter a honra da presença e opiniões do outro, a admirar as características diferentes que tanto criticávamos em mudar. Quando amamos, as expectativas diminuem e o compartilhamento cresce, a liberdade aumenta.

Aprendi que amar é também espaço, é dar espaço para pessoa ser ela mesma, é não querer ter a pessoa pra si, amar não é posse, é liberdade, é querer que o outro seja feliz mesmo sem você, é se sentir feliz por o outro estar feliz. Amar é não esperar mais nada em troca.

Mas amar não é aceitar tudo, pelo contrário, somos seres imperfeitos e podemos sempre melhorar a nós mesmos, somos suscetíveis a erros, somos humanos. Porém, não podemos mudar o outro porque queremos. Só o outro pode mudar a si mesmo por ele mesmo e para haver qualquer mudança é necessário reflexão, autoconhecimento. Mudamos quando nos colocamos no lugar do próximo e entendemos o porquê é necessário uma mudança.

Aprendi que amar é um dom e ser amado é um privilégio. Apesar de ser um privilégio, ser amado também é difícil, as vezes por sermos imaturos no ramo do amor, duvidamos do sentimento do outro. Para isso, deixo as palavras de William Shakespeare que serviram de grande aprendizado para a mim:


"Descobre que só porque alguém não o ama do jeito que você quer
que ame, não significa que esse alguém não o ama com tudo que pode ,
pois existem pessoas que nos amam,
mas simplesmente não sabem como demonstrar isso."


Amar e ser amado podem ser o sentimento mais incrível de se conseguir em toda a vida, só tenho a agradecer por ter tido essa oportunidade, por ter aprendido tantas coisas sobre o amor, por ter conseguido coragem para continuar e chegar até aqui. Já dizia Lao Tsé:

"Ser profundamente amado por alguém nos dá força; amar alguém profundamente nos dá coragem."

Por isso, se você tem a oportunidade de amar alguém, ame profundamente! E se você é amado por alguém, agradeça, pode ser a melhor e maior experiência da sua vida. Pois, não podemos obrigar alguém a nos amar. E ter alguém que escolheu nos amar diante de todas as outras pessoas que existem, que nos ama apesar de tudo que somos, de todos os nossos defeitos, ah isso é mais que um privilégio! Queria eu ter aproveitado melhor a oportunidade que tive, infelizmente fui imatura demais, não soube aproveitar a oportunidade, continuo com coragem, mas cabe a mim, apenas amar, ser amada e correspondida já não depende de mim.

Entretanto, você pode estar perguntando agora, Se amar, apesar de ser tão difícil, nos traz tantos benefícios, porque não amamos mais? Porque desistimos de amar? Prefiro responder essa pergunta com a resposta de alguém que admiro muito, o cantor inglês John Lennon:



"As pessoas acham que o amor verdadeiro não existe, porque elas passaram a não acreditar nele, por isso ele foi desaparecendo, ele é como uma pedra preciosa é raro você encontrar, mas não quer dizer que não exista."


As pessoas perdem a esperança não só no amor, na felicidade, nelas mesmas, na espiritualidade, na vida. Muitos acabam por apenas existir. Viver, amar, ser feliz é para os fortes, Parafraseando a doce Clarice:
 "A felicidade aparece para aqueles que choram.
Para aqueles que se machucam.
Para aqueles que buscam e tentam sempre."

Portanto, eu só tenho a agradecer por esse sentimento, pelo que pude apreender e amadurecer com ele. Sei que tive sorte, muitos passam por essa vida sem ter a mesma oportunidade de amar. E posso dizer que foi a melhor, a mais bonita e mais difícil experiência da minha vida. Por fim, fico com palavras de um desconhecido:

"Da vida, não quero muito. Quero apenas saber que tentei tudo o que quis. Tive tudo o que pude. Amei tudo o que valia e que podia. E perdi apenas o que, no fundo, nunca foi meu."

Compartilhe